Por trás do livros da Primavera Editorial

DSC0727

Nome: Carla Aparecida Neves Saldanha

Função: Representante Comercial. Sou responsável em atender as livrarias e distribuidores de livros.

Formação: Administração de empresas

Há quanto tempo trabalha na editora? Há 25 dias.

Qual é a sua parte favorita do trabalho na Primavera Editorial? Os desafios, pois por se tratar de uma editora ainda jovem e termos um grande caminho a percorrer, com barreiras a serem transpostas e obstáculos a serem vencidos; o desafio de vê-la crescer, aparecer e se firmar no mercado livreiro dentre as grandes editoras do segmento é o que mais motiva meu trabalho.

Qual livro da Primavera Editorial você recomendaria para seu melhor amigo? Eu indicaria dois deles, o “Conversando com casais grávidos” para meu irmão, que está esperando seu primeiro filho, e “O Direito à verdade”, para uma amiga minha que passa por situações complicadas com o filho.

 

Primavera Editorial convida leitor a eleger a capa de “O livro dos negros”

✓ A capa do próximo lançamento da Primavera Editorial – O livro dos negros, do escritor e sociólogo Lawrence Hill – será escolhida pelos leitores. Em uma ação desenvolvida nas redes sociais, o leitor será convidado a escolher entre três capas. A votação entra no ar na próxima quarta-feira, 26 de março, e estará disponível no link: https://pt.surveymonkey.com/s/S7Y8Q5J

✓ A iniciativa é parte de um projeto da Primavera Editorial de incentivar os leitores a participarem do processo de publicação de obras.
___________________________________________________________________________

Com a proposta de incentivar os leitores a participar de forma mais ativa do processo de publicação de obras de ficção da editora, a Primavera Editorial está lançando uma ação focada nas redes sociais. Na página do Facebook, a editora convidará os leitores a eleger a capa preferida para O livro dos negros, de Lawrence Hill. A obra traduzida por Dina Blaj Schaffer – uma ficção baseada em pesquisas sobre a trajetória de africanos escravizados na América do Norte – conquistou prêmios internacionais como Commonwealth Writers Prize e está sendo adaptada para o formato minissérie em uma coprodução internacional dos Estados Unidos, Canadá e África do Sul. A partir da próxima quarta-feira, 26 de março, a votação estará disponível no link: https://pt.surveymonkey.com/s/S7Y8Q5J. Os eleitores da capa mais votada vão concorrer a 10 exemplares da obra.

Segundo Lourdes Magalhães, presidente da Primavera Editorial e pesquisadora de tendências da indústria mundial do livro, especialistas têm debatido o perfil e os anseios dos novos leitores, alimentando novas formas de enxergar a demanda desse público. “É praticamente um consenso que o consumidor, de modo geral, não quer mais ser um agente passivo no processo de compra. Além disso, esse consumidor quer um produto/serviço que passe o sentimento do ‘feito especialmente para mim’. Unindo essas duas demandas, temos um consumidor – no nosso caso, leitor – que quer ser parte ativa do processo de confecção do livro. E como isso é possível? A equipe da Primavera Editorial está experimentando formas de integrar nossos leitores nesse processo. A seleção da capa é apenas o primeiro passo dessa aproximação”, revela a executiva.

O livro dos negros
Lançado originalmente no Canadá sob o título The Book of Negroes, a obra marca a estreia de Lawrence Hill no mercado editorial brasileiro. Filho de Donna e Daniel G. Hill – pioneiros no Canadá em movimentos em prol dos direitos civis – o autor de O livro dos negros é sociólogo e estudioso da temática escravidão. Descendente de africanos escravizados nos Estados Unidos, cresceu em Toronto, durante os anos de 1960. Hill passou a escrever sobre a história dos negros no Canadá, tendo iniciado a carreira como repórter do jornal The Globe and Mail. Foi, ainda, correspondente parlamentar do Winnipeg Free Press. Fala francês e espanhol; viveu e trabalhou no Canadá, Estados Unidos, Espanha e França. Como voluntário da Canadian Crossroads International, viajou para Niger, Camarões e Mali. É bacharel em Economia pela Université Laval (Quebec) e mestre em Literatura pela The John Hopkins University (Baltimore).

A atividade de ficcionista complementa perfeitamente a de pesquisador. A vida de Aminata Diallo – protagonista de O livro dos negros – é uma clara representação da história dos africanos escravizados; uma história que, com certeza, emocionará os leitores brasileiros. Além do Canadá, a obra foi publicada nos Estados Unidos – Someone Knows My Name – e na França, com o título Aminata.

1Capas3

Pablo Picasso e Radiant Orchid inspiram o outono da Primavera Editorial

Intrigar os olhos e despertar a imaginação. Com esses atributos, a cor Radiant Orchid inspirou a equipe da Primavera Editorial a eleger o exótico matiz para o outono. O roxo radiante – inspirado em uma bela orquídea – estará no logo, no site e nas capas dos livros lançados na estação. O tom está presente, discretamente, em uma outra inspiração para a estação: o quadro Le Rêve (O Sonho), de Pablo Picasso.

Le Rêve (O Sonho), de Pablo Picasso

A obra representa Marie-Thérèse Walter, amante do pintor cubista. Bela e simples, Marie-Thérèse entrou na vida do pintor em uma tarde de 1927, aos 17 anos, mantendo-se como amante clandestina até meados de 1943. Inspirado pela amante, Picasso exaltou as linhas e as formas sensuais em obras de grande erotismo; além disso, Marie-Thérèse inspirou duas figuras femininas de Guernica.

Orquidea radiante

 

 

 

Leatrice Eiseman, diretora-executiva do Pantone Color Institute, defende que Radiant Orchid estimula a criatividade e a originalidade expandidas, aliás, características muito valorizadas na sociedade contemporânea. “Radiant Orchid traz uma harmonia encantadora de fúcsia, tons roxo e rosa, inspirando confiança e emanando alegria, amor e saúde. É um roxo cativante, que vai atrair com seu charme sedutor”, afirma Leatrice.

Logos e selos(Orquídea)-02

Segundo Lourdes Magalhães, presidente da Primavera Editorial, há cinco anos a editora adota a proposta de unir tendências a referências artísticas. Meses antes de cada estação, a equipe inicia uma busca criteriosa de tendências globais associadas a ícones de inovação e modernidade associados a referências presentes nas artes. “Recentemente, Le Rêve tornou-se a obra de Picasso mais cara, atingindo a marca de US$ 155 milhões em um leilão realizado em Nova York. O quadro,  pintado em 1932, traz um detalhe na cor roxa. Foi exatamente esse detalhe que nos inspirou a unir a cor do ano do Pantone à obra de Picasso”, conta Lourdes, acrescentando que a Brightland – consultoria com foco em projetos de Marketing Digital e Desenvolvimento Web – assina a atualização de layout do site. Logos e selos(Orquídea)-09

 

Parceria entre A Corrente do Bem e Primavera Editorial resulta na doação de 475 livros para incentivar a leitura

Parceira de A Corrente do Bem, a Primavera Editorial anuncia a primeira ação de responsabilidade sociocultural de 2014: a doação de 475 exemplares da obra As duas faces da abóbora, de Caco Porto, para as bibliotecas e acervos de livros do Céu Paraisópolis, Unidade Biblioteca do Estado de São Paulo, Campanha de Arrecadação de Livros do Pão de Açúcar e Drogaria São Paulo. A Primavera Editorial aderiu ao movimento colaborativo em 2011, quando a iniciativa chegou ao Brasil. Criado na Austrália em 2007 – alusivo ao livro Pay it Forward, de Catherine Ryan Hyde e, posteriormente, ao filme de mesmo título – A Corrente do Bem está presente em 52 países, sendo um movimento da sociedade civil que tem por proposta mobilizar as pessoas a incluir práticas e ações de gentileza no cotidiano. Na visão da Primavera Editorial, a gentileza pode acontecer por meio do acesso à leitura.

Associada à inovação e ao pioneirismo de formatos e conteúdos editoriais, a Primavera Editorial é uma empresa nacional comprometida com a produção de livros de qualidade e com o fomento ao acesso à leitura. No cerne da atuação, encontra-se o investimento em iniciativas que têm por missão encontrar caminhos para que o livro chegue ao maior número de leitores. “As ações de responsabilidade social permeiam o cotidiano da Primavera Editorial desde a fundação, há cinco anos. Estamos conectados com iniciativas que têm sinergia com os nossos valores. Somos doadores, por exemplo, do projeto Livro de Rua e de bibliotecas públicas e apoiamos o Literatura Alimenta, projeto da Livraria da Vila e da Cesta Nobre”, afirma Lourdes Magalhães, presidente da Primavera Editorial.

Acesso à leitura
O brasileiro lê, em média, quatro livros por ano – sendo que apenas 2,1 são lidos até o final. De acordo com pesquisa do Ibope Inteligência, divulgada pelo Instituto Pró-Livro, apenas metade da população brasileira é considerada leitora. Para mensurar a extensão do problema, dados revelam que 75% da população nunca frequentou uma biblioteca. Segundo Lourdes Magalhães, a escolha do título As duas faces da abóbora tem a intenção de conquistar novos leitores com uma narrativa vibrante e extremamente atual. Um livro que prende da primeira à última página. “Não queríamos apenas participar da iniciativa, mas efetivamente colaborar com a conquista e formação de novos leitores brasileiros por meio de um livro instigante; inspirador. Esse título foi escolhido após muitos debates da equipe da Primavera Editorial, pois acreditamos que ele cumprirá essa missão de conquistar leitores”, afirma a executiva.

A morte de um influente empresário norte-americano do setor petroquímico e de sua esposa é o ponto de partida do romance As Duas Faces da Abóbora, que prossegue com o conflito entre os filhos do casal – o capitalista Robert e a humanista Kate. Donos de personalidades antagônicas, ambos têm que decifrar o mistério que envolve o passado dos pais, no Rio de Janeiro, para por fim à disputa por uma herança avaliada em US$ 30 bilhões. Nova York, Rio de Janeiro e Maputo, em Moçambique, são cenários da obra de estreia de Caco Porto, publicada pela Primavera Editorial.

Extremamente contemporâneo, o livro associa os seres humanos a “partículas inteligentes” integradas na rede mundial de computadores, o que nos leva à reflexão sobre a falta de fronteiras do mundo atual e sobre as mudanças positivas que podem ocorrer nas próximas décadas pela presença da internet, conectando povos de diferentes culturas. De outro lado, a obra mostra que, apesar da revolução tecnológica, é imprescindível  a relação interpessoal, o conhecimento do outro e a necessidade humana de equilíbrio.

3fotos_ACorrente

A CORRENTE DO BEM
Inspirado no Pay it Forward Day – criado na Austrália, em 2007, alusivo ao livro Pay it Forward, de Catherine Ryan Hyde – A Corrente do Bem é um movimento da sociedade  civil que tem a proposta de mobilizar as pessoas a incluir práticas e ações de gentileza no cotidiano. A ideia central é mostrar que boas ações são simples, rápidas, divertidas e têm um enorme potencial de transformar positivamente a sociedade. Ou seja, o impacto social de uma boa ação, de um gesto de carinho e de uma gentileza gera um fator multiplicador de bem-estar social. Hoje, 52 países mantêm grupos de voluntários responsáveis por disseminar o conceito. Anualmente, na última quinta-feira do mês de abril, há uma mobilização global, em larga escala, em torno do chamado Pay it Forward Day (algo como “dia mundial da boa ação”, em livre adaptação). Nessa data, milhares de pessoas confirmam a sua adesão, praticando um ato de gentileza, algo simples e desinteressado; passando adiante um único pedido: o beneficiado pelo ato deve passar adiante a gentileza; como uma verdadeira corrente.

PRIMAVERA EDITORIAL
Com a proposta de ser uma “butique de livros”, a Primavera Editorial estimula o hábito da leitura com conteúdos prazerosos, inteligentes e instrutivos. Investir em novos autores nacionais e estrangeiros tem sido uma das estratégias adotadas pela editora. Com diferentes linhas editoriais como romances históricos e sociais, ficção brasileira e estrangeira e romances policiais, as obras editadas são associadas à inovação e ao pioneirismo dos conteúdos, além da qualidade da produção gráfica. A Primavera Editorial é presidida por Lourdes Magalhães. www.primaveraeditorial.com

 

Um panorama sobre o mundo dos livros no Brasil

* por  Izabela Zuppo Villalba

2013 foi o ano dos livros no Brasil. 

O efeito “50 tons de cinza” atingiu leitores por todo o país, seguido por uma onda de publicações de best sellers de impacto, que contribuíram para despertar o interesse não somente daqueles que já tinham o hábito da leitura mas também despertando a curiosidade das pessoas que não eram leitores assíduos e, dessa forma, contribuindo para o crescimento das vendas de publicações.

O setor livreiro cresce, em média, 11% ao ano. A maior parte desse crescimento é destinado exclusivamente ao entretenimento, seguido por livros técnicos e religiosos.

Com o crescimento do número de bibliotecas comunitárias e projetos regionais, o mundo dos livros torna-se cada vez mais acessível em locais onde, até pouco tempo, as pessoas não tinham acesso, levando autores e editoras a comemorarem a chegada desses novos leitores, sobretudo adolescentes.

Apesar de ainda haver um grande caminho a ser trilhado, as editoras brasileiras já estão preparadas para enfrentar os desafios que o ano de 2014 trará, como o fato de a Copa do Mundo e o Carnaval espremerem o calendário de lançamentos durante o ano. A tendência do setor é que haja um aumento crescente na quantidade de publicações e, consequentemente, no número de leitores.

Então, que tal começar uma boa leitura hoje?

Profissionais Primavera Editorial (56)

* Izabela Zuppo Villalba é técnica em Marketing. Frequentou diversos cursos na área editorial e atua na Primavera Editorial nas áreas de marketing e social media, além de ser colunista do blog da editora.