foto de mulher com cartaz nas manifestações a favor do movimento #freebritney, na Avenida Paulista

Movimento #freeBritney e a batalha da cantora para controlar a própria vida

Recentemente, fomos impactados pelo caso da cantora Britney Spears e pelo movimento #freeBritney. Controlada pelo pai e por uma instituição financeira, Britney rompeu o silêncio e decidiu falar sobre a luta para recuperar a autonomia e o controle da própria vida.

Mulheres que lutam por justiça e liberdade têm sido uma constante nas últimas décadas, e mulheres exploradas por homens é uma temática de milênios.

 

Entenda o movimento #freeBritney

 

Essa história começou em 2008, quando a justiça concedeu ao pai o controle da carreira e da vida pessoal da artista. Ao decidir abrir para o mundo a sua condição, ela desencadeou o movimento #FreeBritney, formado por fãs e por milhares de mulheres solidárias ao grito de socorro da artista. 

 O que choca nessa história da Britney cuja justiça, em 1 de julho, decidiu manter a tutela de bens da cantora, agora em formato parcial são os relatos de que é obrigada a trabalhar mesmo doente e que não pode ter filhos para não prejudicar o trabalho.

Temos, aqui, o controle sobre o corpo – homens ditando o que uma mulher deve ou não fazer. Na reportagem do jornal El País, um advogado ouvido pelo veículo aponta que o caso é inédito, ou seja, que a maioria das pessoas sob tutela tem demência ou idade avançada – o que não é o caso da cantora.

Na audiência, pôde-se ouvir a busca por justiça e um verdadeiro pedido de socorro. Ela citou que, por sua saúde mental, necessita que as autoridades permitam que use a própria voz e conte o que aconteceu. Estarrecedor!

Óbvio que, pelos personagens envolvidos, o caso tenha virado trend e o movimento #freeBritney ocupe as páginas dos jornais sensacionalistas e atraía a cobertura da imprensa especializada em celebridades.

Leia mais

 

O que podemos ver além do movimento #freeBritney?

No entanto, estamos diante de uma história que vai além do movimento #freeBritney. Estamos falando de um homem – inclusive pai – que a pretexto da instabilidade emocional da filha em um momento pontual da vida está promovendo uma verdadeira saga de exploração.

A voz dessa mulher está sendo silenciada. O argumento é secular: Britney é incapaz e mentalmente instável – acusações que são muito usadas para desqualificar as mulheres.

A violação dos direitos de uma mulher ataca cada uma de nós. Na minha opinião, o amplo debate sobre as diferentes facetas do abuso masculino deve ser um ponto central de uma ampla reflexão. Calar diante desse absurdo é aceitar que somos incapazes de gerir a própria vida, é negar nosso direito à plena liberdade.

(Foto: reprodução Instagram Giulianna Palumbo).